Anticoncepcional e menopausa aumentam risco de infarto


Mulheres estão muito mais suscetíveis a problemas de coração, como o infarto, do que homens. A afirmação é do cardiologista Dr. Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI). Segundo o especialista, alguns fatores como o uso da pílula anticoncepcional ou a menopausa são responsáveis por essa diferença.

No caso da pílula, o que acontece é que o anticoncepcional pode causar trombose. O mesmo pode acontecer com quem faz reposição hormonal. “O risco de trombose – formação de grandes coágulos que impedem a passagem sanguínea – ocorre devido ao excesso de estrogênio presente no medicamento”, explica o médico, que afirma que esses casos têm diminuído com o tempo, graças à diminuição da quantidade do hormônio nas pílulas mais modernas.

Já quando a mulher entra na menopausa, ocorre a perda acentuada da quantidade desse estrogênio, que é o hormônio feminino responsável pela manutenção do revestimento dos vasos sanguíneos. “Com isso, os vasos ficam mais dilatados, ocasionando queda de pressão sanguínea, o que diminui o ritmo do coração”, comenta Dr. Queiroga.


Ainda de acordo com o profissional, o maior risco de infarto está sim entre mulheres. “Estima-se o risco delas desenvolverem doença coronária seja de 32% em mulheres acima dos 40 anos de idade. O risco da ocorrência de infarto é proporcional ao número de fatores de risco que a mulher apresenta, sendo que a entrada na menopausa dobra ou triplica este risco”.

Outros fatores de risco para a saúde do coração feminino são o tabagismo, excesso de peso, colesterol alto, hipertensão, sedentarismo e dieta alimentar inadequada.

As informações e sugestões contidas neste site tem caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. Este blog tem a finalidade de lhe ajudar, mas não substituir o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.