10 objetos que não se deve emprestar


Todos nós partilhamos coisas e objetos pessoais com familiares, amigos e ás vezes até desconhecidos.

Mas alguns desses objetos aparentemente inofensivos podem representar sérios problemas para a pele e para a saúde se forem compartilhados.

1. Sabonete

Ele é autolimpante, certo? ! Bem, não exatamente. Depois de cada uso, o sabonete fica cheio de organismos da pele de quem acabou de usá-lo, de germes inofensivos a patógenos sérios, que a pessoa pode estar carregando sem ficar doente . Mesmo que o sabonete seja antibacteriano (e hoje em dia a maioria deles não é, porque o antibactericida agride a pele), ele não mata os germes com a mesma eficiência do álcool, .

Pior ainda se o sabonete ficar num recipiente molhado, porque a umidade facilita a reprodução de bactérias, fungos e vírus. Riscos mais sérios incluem o norovírus (responsável pela gastroenterite, ou gripe intestinal) e o Staphylococcus aureus resistente à meticilina adquirido na comunidade (CA-MRSA, na sigla em inglês), uma bactéria que pode causar infecções graves, diz Tierno.

Mas os especialistas concordam que dividir o sabonete com um parceiro é OK, pois os corpos já estão bastante aclimatados com a ~flora bacteriana~ um do outro.

2. Toalhas

Aquele cheirinho de toalha velha? São bactérias, fungos e mofo. Toalhas são ambientes perfeitos para a reprodução de germes, especialmente se ficam penduradas em banheiros úmidos. “Toalhas contaminadas podem transmitir infecções de pele causadas por fungos, bactérias que causam acne e até mesmo conjuntivite”. Elas também podem transmitir a bactéria CA-MRSA. Além de usar toalhas individuais, que elas sejam lavadas depois de quatro usos e sejam estendidas para secar.

3. Buchas

Como elas nunca ficam realmente secas depois de usadas, é muito fácil que fungos e vírus de células mortas da pele causem infecções como acne, fungos de unha e micoses. “A regra básica é: se costuma estar úmido, não compartilhe”,

4. Giletes

Mesmo que você perceba aquele pelinho sobrando na hora de sair, usar a gilete do seu amigo não é uma boa ideia. “A lâmina guarda células mortas misturadas com bactérias, portanto, quanto mais pessoas usarem, maior o risco de infecções”, diz Tierno. Como mencionado antes, algumas pessoas carregam bactérias perigosas na pele mesmo não estando doentes, então é impossível saber se uma lâmina está contaminada. Como a gilete também causa abrasões e cortes, ela pode transmitir doenças transmissíveis pelo sangue, como hepatite e HIV,

5. Cortadores de unha

Mesmo que as pessoas tenham unhas aparentemente limpas e saudáveis, cortadores representam risco porque são usados em lugares onde há fungos e verrugas escondidos. Compartilhar cortadores de unha pode provocar micoses de unha ou até mesmo tipos de HPV que causam verrugas plantares (também conhecidas como “olho de peixe”) Você pode desinfectar o cortador com álcool depois de cada uso, mas é mais fácil ter um só para você.


6. Qualquer coisa num pote – hidratante, creme de mão etc.

“O pote inteiro fica contaminado por novos germes toda vez que alguém coloca os dedos, e eles vão direto para a pele de quem usar o produto depois”, diz Bowe. Isso significa bactérias como estreptococos ou estafilococos (que algumas pessoas carregam na pele normalmente), e o resultado pode ser foliculite (inflamação dos folículos capilares) e acne. Compartilhar produtos em potes é uma péssima ideia. “Se tiver de dividir, o melhor é usar um cotonete ou um palitinho de madeira”,

7. Desodorantes

Dividir um produto que andou pelas axilas de outra pessoa já é nojento, mas desodorantes contaminados podem causar infecções se os germes penetrarem em cortes causados por lâminas ou pelos encravados. Alguns desodorantes matam as bactérias responsáveis pelo mau cheiro, portanto oferecem proteção extra. Mas muitos produtos, especialmente os orgânicos, simplesmente mascaram o odor com perfume, que não impede a reprodução dos germes. Melhor não compartilhar o desodorante. Se tiver de fazê-lo, limpe a superfície com um pedaço de algodão embebido em álcool depois do uso.

8. Protetores labiais

“As bactérias podem atravessar as membranas da boca e chegar à sua corrente sanguínea”, . Os lábios têm uma extensa rede de vasos sanguíneos sob a superfície, diz ela, prontos para absorver tudo o que você passar neles, incluindo os germes. “O vírus da herpes simplex pode ser transmitido entre duas pessoas que dividem o mesmo protetor labial, mesmo que a pessoa infectada não apresente sintomas”,

9. Fones de ouvido

Sim, esquecer os fones é uma pequena tragédia que te leva a pensar na possibilidade de pegar um par no lixo só para ouvir música no trabalho. Não faça isso. “Estudos mostram que fones de ouvido geram muitas bactérias na orelha”, diz Bowe. A quantidade aumenta se você usar os fones fazendo exercícios, porque o calor e a umidade favorecem a reprodução das bactérias.
Quando você usa fones emprestados, bactérias como estafilococos e estreptococos podem se alojar na cera do seu ouvido e provocar infecções ou pústulas. Se você tiver de dividir seus fones, Bowe recomenda limpá-los com algodão embebido em álcool.

10. Pinças

Quando você está na rua e percebe que suas sobrancelhas estão uma bagunça, provavelmente aceita uma pinça emprestada de qualquer um. Pegar uma pinça emprestada para tirar um ou outro pelo não é tão problemático assim  desde que elas não estejam imundas. Mas, se elas são usadas para caçar pelos encravados, a história é outra: elas podem transmitir doenças. “É raro, mas possível transferir hepatite ou HIV usando pinças contaminadas”. Se você suspeita que elas tenham sangue, melhor limpá-las com um mergulho num recipiente cheio de álcool.

Este blog tem a finalidade de ajudar com receitas caseiras e não substitui o trabalho de um especialista