Formigamento – Pode indicar problemas graves que merecem atenção


Sensação incômoda de falta de sensibilidade, o formigamento é muito comum. O grande problema é que a popularidade do sintoma faz com que ele seja encarado com pouca seriedade, o que é um erro já que o sintoma pode indicar problemas graves que merecem atenção.

Conheça as principais causas do formigamento a seguir.

O que é formigamento?

Formigamento ou parestesia é uma alteração de sensibilidade desagradável que costuma atingir extremidades, como membros superiores ou inferiores. A sensação é semelhante a um formigueiro, em que formigas andam e fazem cócegas no membro afetado, o que explica a origem do termo popular.

Formigamento “comum”

e acordo com o ortopedista Clóvis Castanho Silveira Junior, do Hospital Moriah, sentir formigamento nunca é normal e é preciso investigar a causa. Contudo, algumas situações benignas podem causar o sintoma devido à compressão aguda de um nervo ao sentar-se em uma cadeira dura, cruzar as pernas ou deitar sobre o braço. “São situações corriqueiras que passam em minutos”, ressalta.

É esse “aperto” nos nervos, estruturas responsáveis pela nossa sensibilidade, que altera momentaneamente suas funções e gera essa sensação esquisita.

Sentir formigamento: pode ser grave?

Há situações em que as causas do  formigamento são quadros mais graves.

1- Anemia

O cardiologista Hélio Castello, que também é coordenador da Campanha Coração Alerta, ressalta que a anemia – doença em que o sangue possui quantidade insuficiente de glóbulos vermelhos saudáveis – pode levar a sintomas de formigamento e dormência devido à queda na troca de oxigênio e menor quantidade de hemoglobina.

“Geralmente, o formigamento associado à anemia é mais difuso e pode aparecer em qualquer lugar do corpo. Apesar de ocorrer, é mais comum que o paciente apresente sonolência e indisposição do que apenas formigamento”, explica.

2- AVC

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) causa hemorragia ou interrupção do fluxo de sangue para o cérebro, o que também pode causar sintomas semelhantes ao formigamento, como perda de força e/ou sensibilidade em um lado do corpo. Outros sintomas de AVC incluem fraqueza, alterações na visão, dificuldades na fala, tontura ou vertigem, confusão mental e dormência.

4- Diabetes

O diabetes causa deficiência na produção de insulina, substância que regula a entrada de glicose nas células e resulta no acúmulo de açúcar no sangue. Com isso, há diminuição no fornecimento de oxigênio para o corpo, comprometimento do metabolismo e redução da capacidade de eliminar radicais livres. Como resultado, surgem complicações como a neuropatia periférica.

A doença pode iniciar com um simples formigamento nos pés e pernas, em sensação semelhante a calçar uma”bota apertada” e perder a sensibilidade nos dedos dos pés. Se não tratada, pode evoluir para perda de sensibilidade do membro e até amputação.

5- Doença de Buerger

Também denominada tromboangeíte obliterante, a doença de Buerger, cuja causa mais frequente é o tabagismo, leva à redução do calibre dos vasos que irrigam as extremidades do corpo.

Ela se exterioriza por dores, formigamento, redução da sensibilidade, pele arroxeada e gelada. Como não possui cura, quanto mais cedo for identificada e tratada, melhor é a evolução.

6- Esclerose múltipla

O especialista conta que a esclerose múltipla – doença autoimune na qual o sistema imune ataca e destrói o próprio sistema nervoso – pode levar a formigamentos devido às lesões nos neurônios. Com isso, a transmissão dos comandos nervosos é prejudicada e a sensibilidade é diminuída.


7- Síndrome de Guillain-Barré

Assim como outras doenças que prejudicam a bainha de mielina dos neurônios – responsável pela condução de estímulos nervosos – a síndrome de Guillain-Barré tem o formigamento como sintoma. A doença ainda pode se manifestar por cãibras, perda de força e sensibilidade, dificuldade para respirar e fraqueza na musculatura da face.

8- Hérnia de disco

Além de ser uma das principais causas de dor nas costas, a hérnia de disco é um problema que afeta o anel cartilaginoso localizado entre as vértebras, causando dor, dormência, fraqueza ou formigamento nos braços ou pernas.

9- Hipotireoidismo

A falta de tratamento para hipotireoidismo pode danificar os nervos periféricos e, assim como o diabetes, levar à neuropatia periférica.

10- Infarto

Segundo o cardiologista, infarto não é uma das causas de formigamento mais comuns, mas pode ocorrer em reflexo da dor no tórax. Nestes casos, a falta de sensibilidade surge nos braços e peito. A sensação de infarto ainda inclui fadiga, tontura, suor, azia, falta de ar e palpitação.

11- Neurite

Neurite é uma inflamação de nervos que leva à degeneração e comprometimento da região que ele inerva, levando à formigamentos, fraqueza e atrofia muscular.

12- Síndrome do túnel do carpo

Caracterizada pela compressão do nervo túnel do carpo, localizado no punho, devido a alterações na estruturas da região, a síndrome gera formigamento na ponta dos dedos, principalmente no polegar, indicador e dedo do meio.

13- Síndromes compressivas

Assim como o túnel do carpo, doenças que comprimem nervos podem ocorrer em praticamente todo o corpo e causar formigamento, como a síndrome do túnel cubital, que afeta estrutura do cotovelo.

14- Trombose

Seja na trombose venosa ou arterial, o coágulo de sangue preso na corrente sanguínea pode se manifestar por formigamento no membro afetado. Por exemplo, se a trombose for na artéria femoral direita, pode haver parestesia e dor na perna direita.

Formigamento pode ser gravidez?

O cardiologista Hélio Castello conta que alterações no corpo da gestante, como o ganho de peso, podem sobrecarregar o físico e levar a formigamentos nas pernas e pés. Apesar de ocorrer em parte dos casos, indica-se buscar auxílio médico para descartar a hipótese de doenças.

O que fazer?

O cardiologista Hélio Castela explica que um sintoma que se repete e não está relacionado a fatores externos, como ficar muito tempo em cima de um membro, indica a necessidade de busca por ajuda médica. “Muitas vezes, pode ser uma causa simples, mas eventualmente pode ser o primeiro sintoma de uma doença que requer maior cuidado”, alerta o especialista.

Já situações esporádicas são comuns e geralmente causadas pela compressão momentânea de um membro. Para estes casos, o ortopedista Clóvis recomenda tentar mover o membro aos poucos. Ele deve voltar à sensibilidade normal em poucos segundos ou minutos, mas se isso não acontecer, busque um pronto-socorro.

As informações e sugestões contidas neste site tem caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. Este blog tem a finalidade de lhe ajudar, mas não substituir o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.