Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Insônia – Sintomas e tratamento


A insônia é definida como qualquer dificuldade em iniciar ou manter o sono durante a noite – alguns pacientes descrevem como a demora para iniciar o sono, outros acordam várias vezes durante a noite e ainda há os que despertam no meio da madrugada e não conseguem voltar a dormir.

Incidência
​Estudos estimam que a prevalência populacional de insônia pode variar de 5 a 50%, dependendo do local do estudo.

Sintomas
Pacientes com insônia normalmente apresentam sintomas diurnos, como fadiga, cansaço e déficit de concentração, levando a um impacto negativo da qualidade de vida. Existem algumas evidências que além dos sintomas relacionados ao cansaço pelas noites mal dormidas, pacientes com insônia crônica (com sintomas acima de 3 meses) apresentam um risco aumentado para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

A insônia normalmente acomete pacientes com tendência a ter um hiperalerta, e situações de stress podem desencadear o quadro; mas também pode fazer parte dos sintomas de outras doenças, como por exemplo apneia do sono, síndrome das pernas inquietas, doenças clinicas e psiquiátricas, dentre outros.

Diagnóstico
O diagnóstico da insônia é feito pelas queixas clinicas dos pacientes. Deste modo é fundamental a identificação de fatores que possam ter desencadeado e podem estar perpetuando o quadro. A polissonografia (exame do sono) auxilia na identificação de outros possíveis distúrbios do sono que poderiam estar agravando ou precipitando o quadro de insônia, e que necessitem de tratamento.

Tratamento
O tratamento da insônia deve ser individualizado e de forma geral inclui medidas comportamentais (higiene do sono, medidas que reduzam o hiperalerta e terapia cognitivo comportamental, dentre outras), o tratamento de outras doenças concomitantes que possam precipitar ou agravar o quadro, e o tratamento medicamentoso quando necessário.

​Por dra. Fernanda Haddad, otorrinolaringologista do Einstein

Chá para dormir: conheça algumas opções


camomila
Não é à toa que ele é o mais conhecido chá para dormir, pois auxilia no relaxamento devido a seus compostos fenólicos, principalmente a apigenina, que tem efeito calmante.

Além disso, pode ajudar no controle da glicemia, na prevenção de resfriados e a aliviar dores de estômago e cólicas, atua como relaxante muscular e tem poder anti-inflamatório.

melissa
Também conhecida como erva-cidreira, a melissa é uma das ervas mais eficazes para combater o nervosismo e a ansiedade, pois apresenta atividade sedativa, podendo auxiliar no relaxamento, no controle das emoções e induzir ao sono.

Também ajuda a aliviar enxaquecas cólicas menstruais e náuseas.

maracujá
O maracujá possui propriedades depressoras do Sistema Nervoso Central (SNC), aliviando sintomas de ansiedade e estimulando a sedação, melhorando a qualidade do sono. No entanto, as substâncias com ação calmante encontram-se principalmente nas folhas do maracujá.

capim limão
Também é conhecido como capim-cidreira e capim-santo e, como os outros chás para da dormir da lista, promove um efeito calmante, ajudando a induzir o sono e a combater a insônia e a ansiedade. Também pode aliviar a má digestão.

mulungu
É uma planta utilizada no tratamento de problemas como estresse, insônia, distúrbios de sono, ansiedade e depressão, pois ajuda a estabilizar o SNC e possui propriedades sedativas e calmantes.

valeriana
O chá de valeriana não só atua no SNC promovendo relaxamento e diminuindo as tensões nervosas e musculares, mas atua também no sono de ondas lentas, que aumenta a sensação de sono reparador, melhorando assim a qualidade do sono.

passiflora
É uma erva rica em flavonoides e alcaloides que atuam na regulação do tônus muscular e no relaxamento dos nervos. Também é muito utilizada na aromaterapia.

erva-de-são-joão
Trata-se de um anti-inflamatório natural, além de conter vitamina C, ajudando a dormir melhor e auxiliando no tratamento de depressão leve a moderada e de ansiedade.

Veja também