Pré-infarto – fique atento pois você pode estar sofrendo um sério risco de morte


O pré-infarto do miocárdio, comumente conhecido como ataque cardíaco, ocorre quando uma ou mais artérias coronárias que transportam sangue são obstruídas, impedindo assim o fluxo de sangue para atingir o músculo cardíaco. 

A interrupção do fluxo direto para o coração pode danificar ou destruir uma parte do músculo cardíaco e ser fatal.

É por isso que é importante ser capaz de reconhecer os fatores de risco de ataque cardíaco, como idade, colesterol alto, pressão alta, diabetes mellitus, obesidade e história familiar. 

Isso porque, um ataque cardíaco nem sempre acontece de repente. E reconhecer os sinais de alerta o mais cedo possível pode ser a chave para salvar a vida de uma pessoa.

Para ajudar você a entender mais sobre os sintomas de um pré-infarto, eu preparei o artigo de hoje sobre o assunto. Ficou interessado em saber mais? Então acompanhe comigo agora mesmo!

[su_list icon=”icon: arrow-right”] [/su_list]

Ataque cardíaco e pré-ataque cardíaco

Embora seja verdade que na maioria dos casos os sintomas de um ataque cardíaco são difíceis de identificar, também é verdade que, quando se trata de um pré-infarto ou angina de peito, a situação não é tão perigosa. 

Este distúrbio é um sinal claro de que há algo errado com nosso corpo, mas cada pré-infarto pode ser muito diferente de outros episódios em gravidade, intensidade e duração.

Os principais sintomas de um pré-infarto

Mas quais são os sinais importantes que não devem ser ignorados ou subestimados?

1. Ansiedade

Um ataque cardíaco pode causar ansiedade intensa acompanhada por taquicardia severa.

2. Dor no peito

A dor no peito é um dos sintomas mais comuns de ataque cardíaco, especialmente no caso dos homens, e pode ocorrer em direção ao centro ou ligeiramente à esquerda, bem na direção do coração. E você pode sentir uma sensação definitiva de pressão.

3. Tosse

A presença de tosse persistente pode ser o sintoma de um ataque cardíaco devido ao acúmulo de líquido nos pulmões.


4. Tontura e vertigem

A tontura e a vertigem podem preceder um ataque cardíaco e estar relacionadas a arritmias e mudanças repentinas no ritmo cardíaco.

5. Náusea

Pode acontecer que, pouco antes de um ataque cardíaco, ocorram vômitos.

6. Dor nos braços

Em muitos casos de ataques cardíacos, especialmente em homens, a dor começa no peito e se espalha para os braços.

7. Suores frios

Um suor frio repentino é considerado um sintoma muito comum de ataque cardíaco.

8. Inchaço

A parada cardíaca pode causar acúmulo de líquido no corpo. Este fenômeno pode causar inchaço nos pés, tornozelos, pernas ou abdômen.

9. Insônia

Uma redução nos níveis de oxigênio no sangue pode causar mudanças sutis que podem causar agitação e insônia.

Fique atento a qualquer um desses sintomas, previne infarto e entre em contato com seu médico para um check-up.

O que fazer se houver suspeita de ataque cardíaco?

Em caso de ataque cardíaco ou pré-infarto, a única coisa que pode fazer é ligar imediatamente para a emergência e, se necessário, efetuar as manobras necessárias enquanto aguarda a chegada de socorro.

O fator tempo nesta situação é o elemento mais importante para poder intervir com eficácia e prevenir danos: uma vez diagnosticado o infarto, a artéria coronária deve ser desobstruída. Quanto mais rápido a ação for realizada, maiores serão as taxas de sucesso.

É por isso que é vital que todos saibam como reconhecer um ataque cardíaco. Ser capaz de ‘diagnosticar’ em si mesmo ou ajudar os outros.

Gostou de saber mais sobre os sintomas de um pré-infarto? Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

[su_list icon=”icon: arrow-right”] [/su_list]

Gostou do conteúdo? Aproveite e compartilhe em suas redes sociais

As informações e sugestões contidas neste site tem caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. Este blog tem a finalidade de lhe ajudar, mas não substituir o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.